home.jpg

 

PSICO + DERMATO por Marcia Senra

A associação entre essas duas áreas: Dermatologia e Saúde Mental (Psiquiatria / Psicologia) abrange o paciente de forma integrada, valorizando o INDIVÍDUO como sujeito da sua história de vida.

- A pele como órgão facilmente observado e tocada, possui um lugar especial na psiquiatria. Responde à estímulos emocionais e possui habilidade para expressar medo, vergonha, raiva, frustação, além de responsável pela auto-imagem e auto-estima.

A relação entre a pele e o cérebro começa no periodo embrionário, derivam do mesmo ectoderma e são afetados pelos mesmos hormônios e  neurotransmissores.

   
 

Na prática, essa interação se aplica nas diversas situações:

. doenças dermatológicas que possuem uma base psiquiátrica  ex: dermatite factícia, tricotilomania, escoriações;

. doenças dermatológicas que surgem ou que pioram sob a influência do estresse (psoríase, vitiligo, neurodermatite, hiperidose, dermatite atópica);

. transtornos psiquiátricos secundários ao isolamento social ou  estigmatização (depressão, fobias, ansiedade, transtorno obsessivo compulsivo);

. transtornos psiquiátricos que surgem em resposta ao tratamento de doenças dermatológicas com o uso de corticoides;

. doenças dermatológicas que surgem em resposta à medicamentos  usados em tratamentos psiquiátricos;

 
 

As principais áreas de estudos publicados com o untuito de estabelecer a relação causa e efeito e econtrar etiologias desses assuntos psicodermatológicos citados acima são agrupados em três categorias:

1 - estudo do estresse no aparecimento e exacerbação das doenças dermatológicas (fatores ambientais, respostas biológicas ao estresse);

2 - estudos psicodinâmicos relacionados às doenças dermatológicas - conflitos;

3 - estudos clínicos e farmacológicos relacionados às doenças às doenças psicocutâneas. Inúmeros trabalhos apontam para essa correlação entre fatores psicossociais no desenvolvimento e na piora da doença da pele.

(*) (*) As doenças da pele, embora possuam a própria fisiopatologia, os fatores psicológicos e o estresse pioram os sintomas e o efeito psicosocial dessas doenças aumentam o estresse. A idade do paciente, a localização e a aparência das lesões provocam reações psicológicas variáveis que estão relacionadas a extensão do distúrbio mental, causando impacto na qualidade de vida.